• O Norte de Goiás

Dr. Wesley Medeiros: “Gestão em saúde se faz com responsabilidade”


Próximo entrevistado da série que o Portal NG realiza com pré-candidatos a prefeito de Minaçu, o médico Dr. Wesley tem um olhar mais voltado para a saúde. Se eleito pelo Patriota, irá inaugurar uma série de projetos, e priorizar uma gestão enxuta, focada no planejamento e na prospecção de ideias para a resolução dos problemas. Para o médico, a gestão em saúde falhou na estratégia de combate e controle do novo coronavírus em Minaçu.

Confira a entrevista com Dr. Wesley.



Portal NG – Como médico, e ao mesmo tempo como cidadão minaçuense, como você avalia hoje a situação da saúde em Minaçu?

Devido a pandemia, a saúde tornou-se o principal tema da humanidade hoje. Em Minaçu não seria diferente, pois já vivíamos uma crise em vários aspectos. Eu, como médico, percebo que a principal queixa da população sobre a saúde se resume a diversos fatores: a questão da OS, a situação econômica frágil e o desemprego.

Se a pessoa está desempregada, não tem o dinheiro para comprar o remédio. Não tem dinheiro para fazer os exames. Ele não tem o mínimo. E isso tudo causa uma dependência muito grande do poder público. E hoje a gente ver que o poder público não está atento para sanar essas demandas da população, sobretudo a mais humilde, carente. E que precisa ser bem cuidada.

Eu tenho 22 de atuação na saude. Comecei no SUS, aqui, como técnico em enfermagem no Hospital Dr. Ednaldo Barbosa. Tenho uma larga experiência trabalhei em vários hospitais do Brasil inteiro, fui médico militar. Minha esposa tem 10 anos de consultoria do Ministério da saúde

E por essa experiência que carrego, vejo hoje que Minaçu precisa de uma atenção redobrada na questão da saúde.


Portal NG – De qual tipo de experiência, você se refere?

Fui gestor da saúde em Aparecida de Goiânia, o segundo maior município do Estado, um dos maiores do país. Uma saúde complexa. E lá conquistei uma experiência muito grande de gestao.

A saúde é algo muito sério e que preocupa a população inteira. Agora mais ainda na pandemia. Eu tenho um projeto em Goiania que há mais de cinco anos atende pessoas, com transporte, com exames. E a gente percebeu o quanto a saude mexe com a vida das pessoas.

Quando a gente fala de saúde temos que lembrar de uma coisa: saúde é cuidar. as pessoas me perguntam o que você gosta de fazer da vida eu respondo. "minha especialidade é cuidar de gente". Eu toda a vida gostei de ajudar. Hoje, entre todos pre-candidatos, sou o mais habito a cuidar da saude. Nenhum deles tem o patamar de conhecimento que eu tenho nessa area.


Portal NG – Especificamente em relação a pandemia em Minaçu, como você avalia a estratégia de controle da saúde?

Nós tivemos um aumento de casos que levou ao decreto. O lock Down ponto. Foi a meu ver uma ação correta.

Hoje o Brasil tem o maior numero de casos no mundo. temos um numero alto de mortes. Está sendo tudo do jeito que a gente não queria que fosse. Em relação a Minaçu, a gestão está tendo dificuldade. Meu telefone nao para de tocar. É pedido de receita, exames. orientação. Essa procura se dá porque a populaçao está sentido falta de um atendimento mais qualificado.


Portal NG – O que você faria de diferente?

Primeiro ponto: Testagem e massa. Os 3 tipos de testes. Monitorava os pacientes. O teste rapido ele da muito falso negativo. So que ele da positivo. Ele é muito preciso. Ele é mais barato. Saude é igual seguro de vida, tem que pagar para nao usar.

O certo é a testagem em massa. É o principal. A Coreia do Sul já mostrou que deu certo. Houve uma falha dos governos, federal, estaduais e municipais, no caso o nosso, de testar antes de tratar. Com o teste massa a gente alivia muito o sistema. Nós teremos um monitoramento maior e com certeza diminuição da curva, e a consequente diminuição de casos.

Vou citar um exemplo prático do que deveria funcionar: você está com suspeita, consulta, e passa por uma estrutura de logística para você buscar o exame mais rápido possível. Se eu te consultei, eu vou te isolar 14 dias do seu emprego da sua família, de todos os locais que você frequenta. Então você não vai contaminar mais ninguém, se você seguir as orientações.

Assim como no comércio, em há na saúde a relação de “pré” e “pós” venda, O pós é a monitoração contínua…


Portal NG - O acompanhamento domiciliar?

Isso. Ligar, conversar. Perguntar o que o paciente esta sentindo. Se ele realmente está isolado. Se tem os insumos necessários, o kit básico, a medicação, o álcool em gel. Sim porquê a maioria da população de Minaçu é carente. A casa é pequena, apertada. Ela não pode se isolar, nem comprar álcool em gel. Então são fatores sociais que também envolvem o controle da pandemia.

Quando a gente vive uma crise inédita como essa, A gente tem que se apegar os detalhes conto. Do micro ao macro. Eu sou aquele medico que acompanha o paciente de perto. E nesse momento a gente tem que lembrar das pessoas que têm mais dificuldade, de pessoas que não tem dinheiro para comprar uma Dipirona que custa r$ 5 a cartela. não tem dinheiro para comprar Azitromicina não tem dinheiro para comprar alcool. Então a gente tem que ter essa preocupação. Saúde é caro. O gestor tem que gastar.

Portal NG - As barreiras sanitárias foram um acerto?

Sim, mas poderia ser melhorado. Eu levaria o teste rápido para ali. Entrou na cidade, fura o dedo. A pessoa vem de fora, fura o dedo. O morador viajou, voltou, faz o teste. Monitorar as pessoas que vem de fora. Se a gente tivesse feito isso antes, não estaríamos nesta crise hoje. Na barreira, tinha que faz o teste rapido, depois o TCRT [inaudível]. que é o padrão ouro. Ficou com duvida, faz a sorologia.

Segunda coisa: a gente tem que montar uma estrutura hospitalar maior. Eu sei que a OS teve alguma preocupação em ampliar determinados setores. Mas eu seria mais agressivo.

Eu faria mais. É caro, sim. Um leito semintesivo [inaudível] custa uns R$80mil. Eu aumentaria o numero de leitos semientesivos. Montaria uma estrutura maior dentro da estrutura terciaria, que é o hospital para que possa nos momentos de crise suprir as demandas até conseguir um leito em Goiânia.

Outra coisa, trabalho em massa de conscientização. Quando o líder maior fala, no caso o prefeito, há um peso muito grande. Eu gastaria parte do meu tempo com comunicação, fazendo lives, conversando com a população todo dia, as 17h, dando os boletins, orientando os cuidados. Isso é comunicação associada a educação.


Portal NG – A gente sabe que a OS é motivo de grande rejeição em Minaçu. De que forma você, caso prefeito, lidaria? Você pretenderia manter a OS?

Entre todos os pré-candidatos eu fui o que mais lutei para a OS não ser implantada. Na época, fui claro e transparente. Expliquei! Não havia necessidade. Conversei com o prefeito 3 vezes, reiterei. Nada! Eu dei uma palestra para 180 pessoas ali no Sindicato, eu tive na coordenação de coleta de assinaturas para não deixar a OS acontecer.


Portal NG – Mas aconteceu, e agora?

A OS é uma realidade. Mais que isso, é uma Lei. Os vereadores votaram a favor, mesmo a contragosto da população. O certo agora é fazer uma avaliação. No dia 16 de setembro, com as urnas apuradas, eu, se eleito, se Deus quiser, vamos montar uma equipe de transição, uma comissão muito bem feita para avaliar a produtividade da OS. Se ela tiver cumprindo o contrato, ok. Se nao tiver, e a população tiver insatisfeita, sai. Vamos analisar juridicamente para ela ser destituída. O povo é que manda. A gente tem que fazer politica do povo para o povo. E quem manda em mim é o povo.


Portal NG – Saúde envolve essa relação de confiança com o sistema...

Em todas as áreas da gestão publica. Na saúde a responsabilidade técnica é maior. Hoje, entre todos os pré-candidatos quem esta mais apto a cuidar da saúde, por entender como ela funciona, sou eu.

Portal NG - Como você avaliar o cenário politico em Minaçu?

Instável. Tanto o contexto político, quanto o econômico. Nós viemos de uma cassação e uma cassação é sempre traumática. Nós estamos com atual prefeito que era vice. Isso gera uma instabilidade política. Do outro lado, nós temos um ex-deputado federal que sempre esteve inserido no cenário político. Issoi abriu margem para abertura de pre-candidaturas. E todos querendo ser prefeito.

Portal NG - Pessoal fala muito que a prefeitura é só dor de cabeça. Mas porque todo mundo quer?

Boa pergunta! Primeiro, é uma Prefeitura que sempre arrecadou muito. Onde tem dinheiro tem poder onde tem poder tem política. E a política envolve todo esse ciclo de atração de pessoas.

Nosso grupo, diferentemente, tem uma missão. Mudar o conceito de politica em Minaçu. Isso porque ,historicamente, sempre governou Minaçu os mesmos grupos. Sempre governou quem tinha mais dinheiro.

E a gente percebe [inaudível] fica sempre em último lugar na fila. Quem senta na cadeira, atende primeiro o grupo do prefeito, dos vereadores, atende os companheiros da campanha. E o povo fica la no final da fila.

A nossa campanha irá trazer uma ideia de renovação. Nós vamos inverter essa ordem. O primeiro da fila será o povo. O coletivo. Os outros interesses ficaram por último. Nos vamos inverter essa ordem de prioridade.


Portal NG - Nós já falamos muito de saúde, de política. Mas o povo quer saber também de oportunidade. Em relação ao emprego, qual a sua ideia?

Então, saúde é o foco principal. Emprego é o segundo tema prioritário. Emprego e renda. Além da instabilidade politica, nos temos uma instabilidade econômica, seja pelo o fechamento da Sama, pela especulação da chegada da Serra Verde. O emprego é o grande desafio.

Mas o prefeito tem nas mãos ferramentas de empregabilidade, com projetos.


Portal NG - Por exemplo?

Um exemplo de um projeto que vai estar no nosso Plano de Governo. Uma parceria entre o clube de Furnas, o clube da Sama, o Centro Cultura da Engie, o Conexão Cidadã, e um projeto integrado educação, emprego e renda. Hoje nos temos 6 mil alunos matriculados nas redes municipal e estadual.

Nos vamos fazer um projeto de educação integrada, com prática de esportes. Aulas de música e tecnologia da informação. Você sabe resolve a curto, médio e a longo prazo.

Nesse caso, esse projeto, pensa o futuro. Essas crianças serão adultos melhores educados, mais conectados a cultura e a informação A curto prazo, nós vamos comprar todo o consumo da alimentação escolar dos produtores rurais da região. Banana, frango, verduras, dando garantias de escoamento a produção rural, fortalecendo a agricultura familiar, assim, você gera renda no campo

Essas crianças precisarão ser transportadas. Então vamos contratar gente pra transporte, sem privilegiar ninguém, mas contratando gente da comunidade. Esse dinheiro, vem de onde? De bons projetos que sao transformados em recurso, dentro dos Ministerios. Dinheiro publico tem, precisa de projeto e planejamento.

Nos temos que eleger o foco em Minaçu, no turismo, no agronegócio e na mineração. Todos esses eixos ajudam a fortalecer o comercio, que gera mais emprego.

Minaçu tem potencial de ser autossustentável. So que é um potencial muito subaproveitado.


Portal NG? Você fala do turismo?

Sim. Como a gente fala em turismo em Minaçu sem planejamento? Como falar em turismo em cidade com a malha asfáltica acabada, sem urbanismo, sem calendários de eventos. Um lago deste tamanho, nos nao temos uma festa do peixe. Isso está no nosso plano de governo, que será composto por ações factíveis.

E agora tem gente falando que vai fazer. Ah, agora eu vou fazer. Mas teve oportunidade e não fez.


Portal NG – Na área da educação há uma disparidade de salários, e uma serie de desvalorizações de professores. Como você pretende lidar com essa relação, na educação?

Isso é um problema que precisa de uma avaliação técnica, que envolve direito adquirido. Todo professor merece ganhar bem e ser valorizado. Porque eles mexem com algo mais valioso que temos, o futuro. Eu tenho um carinho especial pela educação, eu fui criado pela minha vó Dona [inaudível] e minha tia é a professora. Eu sou fruto da educação. De família simples, me tornei medico por causa da educação que tive. Se voce investe no professor, com qualificação, salario bom, estrutura, voce investe no futuro dos nossos filhos.


Portal NG – O apoio do governador Ronaldo Caiado é algo substancial nessa trajetória. Como o senhor avalia que será a decisão dele?

As pesquisa hoje mostram que o governador esta relativamente bem avaliado. Ele teve um desgaste no inicio, mas conseguiu se recuperar. Ele ja refez sua aliança com o presidente Bolsonaro e coloca Goiás de novo na lista de prioridades do Governo Federal.

A gente que essa relação de oposição e situação é muito importante na politica. Oposição é sempre oposição. Em relação a Minaçu, se você é oposição ou governo federal ou estadual, há uma dificuldade natural. Eu to vendo gente vendendo um peixe, que não existe.

Falando que tem acesso ao governo, que tem acesso a Brasil. A gente sabe num é bem isso ai.


Portal NG- Mas veja bem, hoje a cidade de Minaçu é situação ao governo, tanto federal, quanto estadual. E mesmo assim nao tem investimento.

Se fosse oposição estaria mais difícil ainda. Se para situação está difícil, imagina para os municípios que cujo o projeto é oposição? Era zero de chance. É matemática. Natureza não dá saltos. O meu partido hoje é base, tanto do governo federal e do governo estadual.


Portal NG- Qual o recado você deixa para a população de Minaçu?

Eu aceitei essa empreitada já convocado pelo povo. eu poderia muito bem continuar sendo médico, continuar a minha vida. mas eu vou fazer aquilo que me terminei. Sou médico há 5 anos, convivo com o povo, e quero representá-lo. Conheço o povo, o comerciante, o assentado, da zona rural o povo mesmo que precisa do atendimento em saúde. E por ter contato direito com a população, eu vi essa necessidade de mudança. O povo quer mudar a ordem de prioridade do governo. Não quer mais os mesmos. Eu estou aqui para fazer politica para o povo, por isso apresento meu nome, com a vontade e serenidade no coração. O povo vai pro primeiro lugar da fila. Eu quero um mandato de serviço a população.



O próximo entrevistado da série, é o ex-prefeito Maurides Rodrigues.

ELEIÇÕES 2020 - Os bastidores da politica no maior portal de notícias da região


Confira as últimas sabatinas:



Cabo Queiroz: “Minaçu não tolera mais o atraso”



Leréia: “Vamos resgatar a autoestima do povo minaçuense”




Zilmar Filho “Me sinto pronto pra continuar servindo Minaçu

Todos os direitos reservados - 2015-2019 Jornal O Norte de Goiás