• O Norte de Goiás

Quem ganhou e quem perdeu o primeiro debate



O debate em que as duas emissoras de rádio, Clube e Serra da Mesa, realizaram nesta quinta-feira, 06, mostrou, sobretudo, maturidade dos candidatos. Não foi o debate ideal. O ideal seria que todos, sem distinção, que dividem o desejo de governar Minaçu, debatessem em condição de igualdade.

Lúcia não foi ao debate.

Por uma questão de estratégia, ou covardice, Lúcia resolveu se esquivar, repetindo o que fez Nick Barbosa, seu esposo, em 2016, quando dizia à quem interessasse que suas propostas estavam em seu plano de governo, e isso bastava. Não havia o que discutir, não havia o que contestar. Lúcia hoje repete a mesma estratégia, visando o mesmo sucesso. Ledo engano. O convencimento em 2020 é outro, principalmente, nesse universo Barbosa, em que se tenta substituir um prefeito cassado, que não sabia diferenciar o público do privado.

Vi durante todo o dia de ontem, apoiadores de Lúcia fazerem contorcionismo para legitimar a ausência da candidata. “Ah, mas é melhor fazer, do que falar”. O problema é que sem ir ao debate, ninguém soube, de fato, se Lúcia tem capacidade de fazer uma coisa ou outra.

E o debate seguiu

Muito bem divididos, os temas como saúde e educação, foram debatidos com rasa profundidade pelos candidatos, até pelo tempo. Alguns momentos foram interessantes, alguns candidatos subiram o tom, outros foram extremamente técnicos e outros estavam ali visivelmente nervosos.

Carlos Léreia navegou em águas tranquilas do começo ao final. Verdade seja dita ninguém conseguiu tirá-lo do eixo com perguntas por mais variadas e acintosas que fossem. Perguntado por Zilmar, por exemplo, sobre a ausência, em seu plano de governo, da melhoria do Plano de Cargos e Salários e a previdência dos servidores, Leréia foi enfático: “Vou fazer tudo que o senhor não está fazendo”. Leréia reiterou que irá destituir o contrato com a OS e que não irá permitir o fechamento da UEG. “Eu fecho aqui esse compromisso”.

Dr Wesley

Quem roubou a cena foi o candidato Dr. Wesley. Bastante preparado, foi cirúrgico e preciso nas respostas. “Quem tem projeto não tem medo”. O médico, de fato, foi ao debate: “Todos os candidatos que estão aqui vocês conhecem! E sem querer ofender, mas toda essa bagunça que a cidade vive hoje, a culpa é deles, porque eles foram governo. É essa turma”, disse. Wesley falou de valorização do servidor, de qualidade na gestão, do seu gabinete itinerante e de melhorias na área da saúde.

Ouvi de uma liderança após o debate a seguinte frase: “Se o Dr Wesley fosse mais forte ele ia dar trabalho”. Discordo. Ele já está mudando toda a dinâmica da eleição se colocando como terceira via de fato. E tem um batalhão na rede falando por ele.

Zilmarzinho

Zilmar Filho, por sua vez, foi confrontado pelo ônus e pelo bônus de ser o prefeito de um mandato tampão, que não vive seus melhores dias de popularidade. A OS teve um gosto amargo no debate para Zilmar; uma gestão em saúde que apesar de mudanças significativas em 6 meses a população não conseguiu engolir.

Zilmar mostrou, porém, bastante preparo. Encarou de frente cada pergunta e devolveu: disse que a cidade tem bons índices em áreas que são referencias. Zilmar mostrou maturidade no debate e focou no mérito das perguntas, além de ter pontuado vários momentos as consquistas da sua gestão.

Queiroz

Numa pauta mais propositiva, Queiroz falou de transformação da cidade e do resgate da confiança da população na gestão pública, o fortalecimento do turismo, além de economia, como a produção de peixes em Minacu e a criação de um laboratório de alevinos. “O que falta é colocar em prática”. Queiroz fez questão de afirmar que o PSL deve retomar à base de apoio do presidente Bolsonaro.

Marbênio

Candidato pelo PT, Marbênio se esquivou de ser associado ao partido em nível nacional. Falou de infraestrutura asfáltica e investimentos na rede pluvial. O ponto alto da participação foi quando Lereia o questionou por ter recebido “auxílio emergencial”, apesar de ser empresário. “Os recursos para o empresário é outro, não informaram ao Senhor”. Marbenio disse que recebeu o Auxilio devido a morosidade no processo do pedido para o auxilio a empresas.

Maurides

Maurides Rodrigues, se pudesse ou devesse, teria ficado em casa. Foi superficial nas respostas, reforçando quase sempre que, agora, "dessa vez", está "preparado". “Eu tive uma mandato, e hoje me sinto preparado. O único que teve o mandato anterior foi eu. Vamos iniciar os projetos antes de assumir. Onde buscar eu sei. Hoje eu to preparando para administrar a cidade", resumiu.


O legado do debate

Fim do primeiro round, quem ganhou? Todos ganharam, afinal todos se sobressaíram e de fato, muito bem. O debate soou como um treino no começo de uma temporada, em que os times estão se ajeitando, para um objetivo só.


Conversei hoje cedo com lideranças e internautas do Portal. No geral, Lereia se mostrou mais preparado. Dr. Wesley surpreendeu. Queiroz teve seu momento de glória. Zilmar mostrou objetividade e sagacidade. E quem de fato perdeu o debate foi Lucia Barbosa, literalmente. Seria uma grande oportunidade de mostrar a que veio.


Para o primeiro debate, foi uma boa apresentação. O quente ainda vem por aí.


Danillo Neres

Jornalista



Todos os direitos reservados - 2015-2019 Jornal O Norte de Goiás