• serra verde

Serra Verde reacende esperança de dias melhores em Minaçu


Em meio à crise gerada pelo fechamento da SAMA, uma esperança econômica surge em Minaçu: A operação da Mineradora Serra Verde. Com investimentos de US$ 150 milhões, a Mineradora irá explorar o chamado “concentrado de terras raras”, mineral utilizado em produtos de alta tecnologia: de smartphones a turbinas eólicas.


Nesta semana, um passo importante foi dado. A inauguração da Home Base, escritório compacto da empresa, e do alojamento institucional, que irá abrigar pesquisadores e trabalhadores de fora. Pelo peso da inauguração, foi convidada pelos diretores da empresa, a primeira –dama do Estado, Gracinha Caiado.


Luciano Borges, vice-presidente da empresa é otimista. Ele afirma que a Mineradora deve gerar diretamente 1.5 mil empregos. De forma indireta, mais de 6 mil novas vagas são esperadas durante as fases de operação. Até março a empresa aguarda obter as licenças necessárias para iniciar o processo de construção.


O investimento é comemorado por lideranças e autoridades. “Minaçu está pronta para esta reversão econômica. O momento, agora, é crítico. Mas há esperança. O futuro, sem dúvida, nos reserva uma cidade pujante, novamente”, ressaltou o prefeito Zilmar Filho.


“Hoje estamos aqui para comemorar e celebrar o recomeço de Minaçu”, emendou Gracinha Caiado.


Controlada pelo fundo norte-americano Denham Capital, a Serra Verde já aplicou, desde 2009, US$ 90 milhões em pesquisa mineral e no desenvolvimento de processos de tratamento do minério. Para que parte desse investimento chegue a Minaçu, a empresa aguarda apenas a outorga da licença de instalação, aval que é esperado no inicio deste ano.


O depósito de terras raras descoberto em Minaçu é um dos maiores do mundo, comparável às grandes reservas de terras raras do sul da China. O país asiático responde por 80% da produção mundial do minério. Desse modo, Minaçu entrará no mapa global das maiores jazidas de terras raras do planeta.


A grande maioria do contingente de trabalhadores, 75% dos postos, será preenchido por pessoas da cidade. Os cofres do município também serão impactados com a distribuição do bolo dos royalties, uma compensação financeira de 65% dos recursos que vão para investimentos na região.


Todos os direitos reservados - 2015-2019 Jornal O Norte de Goiás